Orgânicos perpetuam Curitiba rural

FONTE: Gazeta do Povo

Demanda por alimentos livres de agrotóxicos estimula uso de pequenas áreas no cultivo de hortaliças. Número de unidades produtivas dobrou, chegando a 870.

Os alimentos orgânicos estão dando uma injeção de ânimo na rede de propriedades rurais que cercam Curi­­tiba. O número de chácaras e sítios dobrou nos últimos cinco anos, chegando a 870, conforme estatísticas do Instituto Emater e da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (Seab). A menos de 50 quilômetros da capital, as atividades do campo ditam a rotina das famílias, que se mantêm na agricultura justamente graças à proximidade do maior mercado consumidor do estado.

O aumento da produção é justificado pelo crescimento da procura por esse tipo de produto, considerado mais saudável do que os convencionais. As estatísticas sobre o tamanho do apetite por verduras, legumes e frutas livres de agrotóxicos são imprecisas, mas, de acordo com a Emater, 10% dos curitibanos consomem algum alimento orgânico.

Com o estímulo da cidade, os produtores aumentam suas apostas. Depois de vender 7 hectares de terra em Francisco Beltrão (Sudoeste) e se mudar para Campo Magro em busca de novos horizontes, a família Escher é hoje referência na produção de orgânicos na região de Curitiba. Juntos, pai, mãe e dois filhos administram uma propriedade de 20 hectares a 30 quilômetros da capital.

Eles trocaram a produção de grãos – soja, milho e feijão – no Sudoeste pelo cultivo de hortaliças, frutas, pães, leite, geleias e molhos. Mesmo com algumas frustrações de safra por causa de clima, os Escher não se arrependem da mudança. “Aqui a demanda é maior. Na região de Beltrão, eram 500 mil habitantes, em Curitiba são quase 2 milhões”, compara Salete.

Apesar de a profissão no campo ter gerado alguns pro­­ble­­­mas de saúde aos pais e a um dos filhos, a família Escher não para de investir em trabalho. Um barracão de 200 metros quadrados voltado ao beneficiamento de leite e à fabricação de pães, geleias e molhos está perto da inauguração.

“Faltam chegar alguns equi­­pamentos para a leiteria. É um investimento para garantir renda maior”, explica Luciano, um dos filhos do casal. Foi necessário empréstimo de R$ 90 mil. Aos 27 anos, Luciano se formou em Desenvolvimento Rural e Gestão de Agroindústria para ajudar nos negócios da família.

“Já passou pela minha ca­­beça desistir, mas quando penso em todo o esforço e no prazer de trabalhar naquilo que é meu, decido continuar”, diz ele, após aferir que a movimentação nas feiras de orgânicos cresceu 40% no último ano. “A gente planta, colhe, beneficia e vende. É cansativo, mas vale a pena”, afirma Salete.

Para Iniberto Ha­­nersch­­midt, coordenador estadual de olericultura da Emater, a maior rentabilidade oferecida pelos orgânicos é o que tem estimulado os produtores a se manter na atividade. Segundo ele, a receita com os alimentos livres de agrotóxicos pode ser de 30% a 50% maior que o faturamento com produtos convencionais. “Quando o produto é adquirido nas feiras chega a ser mais barato do que o convencional. Conforme aumenta a intervenção na venda, mais caro fica na ponta”, explica ele.

Os preços das terras no entorno de Curitiba também são um atrativo para os agricultores. O valor do hectare fica abaixo de R$ 20 mil em Campo Magro, dependendo da oferta. Existem opções até 50% mais baratas do que as de pequenas propriedades do Sudoeste, por exemplo.

Livro mostra a capital cercada de minifazendas

O lado rural de Curitiba acaba de se transformar em livro. Após seis meses de pesquisas e entrevistas, o jornalista e escritor Eduardo Sganzerla lança nesta semana a obra Curitiba Rural, um diagnóstico da agricultura que cerca a capital do estado. Recheadas de imagens e algumas receitas culinárias, as mais de 150 páginas contam o passado, o presente e traçam as perspectivas da atividade, que é base da economia do estado, mas luta para continuar viva ao lado de uma metrópole.

Histórias como a de Fran­­cisco Matucheski Neto, um dos mais tradicionais agricultores da região metropolitana, são apresentadas ao leitor. Produtor de hortaliças, feirante há cerca de trinta anos, o descendente de poloneses é considerado também um dos “últimos moicanos” – por ainda se dedicar ao cultivo de produtos convencionais –, define o autor da obra.

No livro, Sganzerla conta as dificuldades dos trabalhadores que vivem da terra em plena cidade grande. “Um dos personagens do livro chegou muito perto de desistir dessa difícil profissão. Ele pretendia vender a terra em Campo Largo para se tornar motorista de ônibus, mas graças a um curso técnico voltou atrás com a decisão”, relata.

O contato cada vez maior com o ambiente rural conquis­­tou Sganzerla, que agora prepara um segundo livro, sobre a agricultura orgânica no Brasil. “Já passamos por São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e ainda vamos ao Pará, Mato Grosso, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia e Paraíba”, revela.
Serviço: O livro “Curitiba Rural – Aromas e Sabores” será lançado domingo, a partir das 12 horas, no restaurante Nova Polska, Rua Thomás Antochevis, 1.422, Colônia Dom Pedro II, Campo Magro (PR). Informações (41) 3022-7880.

Anúncios
Esse post foi publicado em Indústria Agroalimentar / Agronegócios, Paraná, Produtos Orgânicos e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s